Phi Phi

Na minha primeira vez na Ásia, a chegada ao lugar mais badalado da Tailândia não teve qualquer glamour: um calor senegalês, malas soterradas por milhares de outras no barco e o cansaço que vocês podem imaginar, depois de um táxi, quatro voos, cinco aeroportos, um transfer, um barco e 37 horas, desde a saída de casa, em Belo Horizonte. Como minha amiga e eu botamos os pés no hotel às 16h, só deu pra tomar banho e tentar amenizar o terrível jet lag com uma bela soneca até as 19h30.

atração noturna Phi Phi

Brincando com fogo em Phi Phi

No giro noturno e inicial por Phi Phi, vimos a maior concentração de gente bonita por metro quadrado do planeta, a galera virando baldinhos (!?!) lotados de bebidas, bares de praia onde a atração principal é brincar com fogo de diversas formas na faixa de areia em frente e outros em que o chamariz são as lutas ao vivo de boxe tailandês. Tudo junto, numa impressionante torre de Babel.

Muay Thai no bar!

Muay Thai no bar!

Depois de uma merecida noite de sono, começamos nosso primeiro dia inteiro em Phi Phi, deixando o hotel rumo a Long Beach, uma praia mais sossegada no canto direito de Tonsai Bay. Nosso hotel fica no meio da baía, perto do centro (mas longe da muvuca) e, a propósito, dica 1: recomendo o Andaman Legacy.

nosso hotel em Phi Phi

A maravilhosa piscina aquecida do Andaman Legacy

Logo no começo da caminhada de meia hora, encontramos uma dupla de brasileiros (um deles vai virar meu consultor, porque já visitou cem países). Passamos a manhã juntos nessa agradável praia de mar verde e água quentinha, ladeada por um paredão e com ilhotas em frente. Depois de almoçar bem e barato no Paradise Pearl Bugalow (fica-dica 2: vá sem medo), voltamos pro centrinho e acertamos diretamente com o barqueiro do longtail (canoas de madeira compridas e com motor) o passeio privado pro dia seguinte.

onde comer em Long Beach - Phi Phi

Delícia com preço justo do Paradise Pearl Bugalow

Fizemos exatamente como os blogamigos ensinaram, o que repasso como fica-dica 3: combinamos de ir cedinho e pegar a “praia do Léo” antes da invasão dos enormes barcos de excursão. Os caras estão osso duro na barganha e não conseguimos baixar dos 3000 bath pedidos (o equivalente a 240 reais) pelo tour. Mas negociamos, pelo menos, aumentar de 6 pra 7 horas a duração e não ter que pagar nada adiantado.

Clique aqui para curtir Viaje ao Léo no Facebook!

De volta ao hotel, trocamos “a chinela” pelo tênis pra encarar aquela que ficou marcada como a rota de fuga de tsunamis até o Viewpoint e ver o sunset lá de cima. É puxado, principalmente por causa do tempo úmido que deixa qualquer um indignamente suado. Se você é do tipo que preza um pouco de glamour, fica-dica 4: passe a vez. A não ser que queira queimar calorias. Do alto, é possível entender melhor por que Phi Phi foi tão destruída pelo tsumani de 2004. O formato de duas baías de costas uma pra outra fez com que o meio fosse tristemente abraçado pelas ondas gigantes que vinham de ambos os lados. Ou seja, quem estava ali não tinha pra onde correr. 

baías de costas uma pra outra em Phi Phi Don

O formato de Phi Phi Don

Chegamos completamente descadeirados depois de descer um milhão de degraus, mas o bom Legacy tinha uma piscinona aquecida que, combinada com um Tandrilax melhor ainda, me fez desmaiar em sono profundo por 1h30 antes de sairmos pra encarar deliciosos rolinhos de primavera na rua. Sim, esse foi o jantar e custou o equivalente a 5 reais, incluindo a bebida. Acordamos às 6:30AM pra fazer o tal passeio, começando por Maya Bay, que ganhou fama mundial depois que meu xará di Caprio apareceu por lá no filme “A praia”, de 2000, quatro anos antes, portanto, do tsunami que destruiu a região (foi pior na Indonésia, claro, mas em Phi Phi também causou um arraso em Phi Phi Don, a única ilha habitada do arquipélago).

passeio privado em Phi Phi

O passeio em longtail privado

Maya Bay fica na ilha Phi Phi Leh. É bonita e tudo, que nem no filme. Mas posso falar? Não me emocionou, apesar do snorkelling na Lagoon ter sido legal. Preferi Bamboo Island, cuja água tem mil tons de azul, como a inesquecível (e até hoje imbatível) praia da Conceição, em Noronha. O giro incluía ainda Mosquito Island e Monkey Beach. Tivemos que escolher uma porque gastamos tempo demais nas duas primeiras. Quando chegamos na dos macacos, a maré estava alta pra descermos. Mas, como diriam os americanos, teria sido “pretty much the same”. 

a famosa Maya Bay, praia do filme The Beach

Maya Bay, “a praia do xará”

Bamboo Island faz parte do passeio a Maya Bay

A bela Bamboo Island

Depois do almoço, terminamos o dia largados na areia na ponta esquerda de Tonsai Bay, ao lado do píer e embaixo da enorme pedra. Ainda tivemos a manhã do último dia pra conhecer a baía que fica de costas pra Tonsai. A praia de Loh Dalun Bay, onde rola aquela confusão toda nos bares à noite, tem um visual bonito e nada mais durante o dia. A água fica suja por causa dos baladeiros e, na maré baixa, nem dá pra nadar.

lugar sossegado em Tonsai Bay

O cantinho esquerdo de Tonsai Bay


Minha impressão final de Phi Phi?

O que vale a pena: a beleza natural que sobrevive, apesar do esforço sobrehumano do bicho homem em acabar com tudo. O que incomoda: exatamente esse descaso com a preservação. O lixo está em toda parte: nas ruas, nas trilhas e até em algumas praias. Na parte urbanizada (?!?), certos trechos têm esgoto a céu aberto e o odor se mistura ao da água de peixe, jogada à revelia nas calçadas pelo staff dos restaurantes. O conceito geral de “viemos-aqui-pra-morrer-de-beber-e-gritar-u-hu” irrita um pouco, embora deixe a ilha com astral. A péssima condição de vida dos nativos também choca.

poça de água em Phi Phi

Molhou? Alagou!

pequena praia no meio da trilha para Long Beach

Um pedaço “simplinho”para padrões “phiphianos”

Permanência: 3 noites (sendo 2,5 dias) – achei um tempo adequado, principalmente pra primeira parada, adaptação ao jetlag, etc. Se você ficar um pouco menos, não vai doer nada também. Num único dia, por exemplo, dá pra fazer o passeio de barco e terminar em Long Beach.

Hospedagem: recomendo o Andaman Legacy, que não fica nem na muvuca e nem muito afastado. Se você quiser agito, escolha algo mais perto da vila. Caso queria distância da confusão, tente um local numa praia mais afastada, como Long Beach.

Próxima parada: Railay Beach

Parada anterior: Ásia – vacinas e vistos

Posts relacionados:

Sudeste Asiático em 20 dias

Hanói

Halong Bay

Hue

Hoi An

Siem Reap (Angkor)

Chegada a Bangkok

Bangkok

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s