Bangkok

Restavam menos de 48 horas em Bangkok e resolvemos dar uma quebrada na visita aos templos pra ir ao tradicional Chatuchak Weekend Market. Como o nome indica, é um mercado que só funciona nos fins de semana. Fica-dica 1: mamão com açúcar chegar lá via SkyTrain (estação Mo Chit) ou metrô (Chatuchak Park). 

Chegada ao Chatuchak Weekend Market

Chegada ao Chat Weekend Market

E fica-dica 2: vá cedo, porque o lugar é uma farra das compras (pelo menos pro meu gosto). Chegamos antes das 10h e saimos às 3h da tarde, sem ter visto 10% das 6 mil barracas, que vendem de um tudo. Garimpando, dá pra achar ótimas peças com preço melhor ainda.

Luzes em Chatuchak

Adorei a parte de iluminação!

Antes de partir, uma massagem. Custou o equivalente a 5 dólares por 30 minutos de carinho nos pés. Nos pés só, não. Nas pernas inteirinhas. E com ar condicionado! Fica-dica 3: tente fazer em algum lugar limpinho que você encontrar. Melhor massagem ever!

Estava uma delícia!

Almoço no mercado

Depois, nos separamos pra fazer atividades pessoais. E, à noite, fomos dar uma passadinha na região da prostituição, Patong, onde há diversos shows de pompoarismo. Quando li os blogamigos descrevendo a experiência, achei que seria deprê. E foi. Tentamos entrar numa dessas casas (apesar de termos lido também que as pessoas extorquem os turistas) e a primeira cena que vi foi uma bolinha de ping pong alçando voo depois de sair diretamente vocês-sabem-de-onde. Eu não atravessei meio mundo pra transformar minha testa em alvo de objeto voador envaginado, né!

Super Pussy: é exatamente o que você está pensando!

Super Pussy: é exatamente o que você está pensando!

Na rua das putas, funciona um animado mercado. E bem ao ladinho, fica a alegríssima região gay, lotada de bares. No último dia, queríamos ir a Wat Saket, um templo no alto da Colina Dourada e com uma bela vista. Como não fica perto de estação alguma, precisávamos de táxi ou tuk tuk, mas os motoristas se recusaram a levar por causa de um megaprotesto nas imediações. O cara do hotel ainda falou que era perigoso. Obedemos. Até porque, como diriam os americanos, teria sido pretty much the same!

Clique aqui para curtir Viaje ao Léo no Facebook!

Seguimos de metrô (estação Hua Lamphong) pra Wat Traimit, o templo do absurdo, que tem um Buda de 5,5 toneladas de puro ouro. Ai, que absurdo! Mas, na boa, fica-dica 4: ai, que bobagem! Pretty much the same! A diferença maior é que esse parece ser mais frequentado pelos locais.

5,5 toneladas de ouro!

5,5 toneladas de ouro!

IMG_4035Em seguida, mais uma tarde livres um do outro. Marcamos de sair do hotel às 5 e pouco pra ir até o famoso bar, aquele no 63° andar do Hotel Lebua e que foi set do filme “Se beber. não case II”. Queríamos ver como é lá de cima, tanto de dia quanto de noite. Ai, que atmosfera!

O hotel fica perto do rio Chao Phraya e o visual é simplesmente luxuoso. O glamour tem preço. Paguei o equivalente a 25 dólares por duas singelas long neck. Ai, que riqueza!

Bar Distil

Bar Distil

A vista é mesmo incrível!

A vista é mesmo incrível!

Daria pra fazer mais em Bangkok? Sim! E ainda faltaram passeios nos arredores, como Ayutthaya, a antiga capital do reino do Sião, que chegou a ser uma supermetrópole, como Angkor. Só que gastaríamos duas horas pra ir e duas pra voltar. E, segundo meu novo amigo nipoparanaense, a “versão cambojana” dá de dez! O bate-volta às cachoeiras Erawan seria mais puxado ainda, com três horas pra ir e três pra voltar. Além disso, achamos que ir ao mercado flutuante e ao parque dos tigres seria turistão demais. Nesse finzinho de férias, é preciso desacelerar. Nosso voo sai às três da madruga!


 Minha impressão de Bangkok?

O que vale a pena: a mistura do novo com antigo, do ocidente com o oriente, o ambiente cosmopolita e o jeitão futurista-caótico

O que incomoda: mais uma vez, o assédio das pessoas na rua, principalmente nos pontos turísticos, onde são comuns os golpes. Além disso, a falta de informação/sinalização (às vezes, os avisos e placas estão escritos apenas naquelas letrinhas deles)

Permanência: 4 noites (com três dias de inteiros). Se você acha que ver dois ou três templos é suficiente, pode ficar menos. Se deseja a overdose templal ou os passeios dos arredores, pode ficar mais. Não faltará o que fazer.

Quarto bem "honesto"

Quarto bem “honesto”

Hospedagem: ficamos no I Residence. O staff é meio chatinho, mas o custo-benefício compensa. Fica-dica 5: escolha um hotel perto de alguma estação. O nosso é exatamente em frente à Chong Nonsi, em Silom. É uma área central, sem muito charme (mas também sem confusão) e de onde se chega facilmente aos lugares mais importantes.

Bangkok foi um encerramento perfeito de uma viagem realmente inesquecível. Voltarei em breve à Ásia! Quem se anima?

 

Próxima parada: Austrália em 25 dias

Parada anterior: Chegada a Bangkok

Posts relacionados:

Sudeste Asiático em 20 dias

Ásia – vacinas e vistos

Phi Phi

Railay Beach

Hanói

Halong Bay

Hue

Hoi An

Siem Reap (Angkor)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s