Bye, Gold Coast!

Eu já tinha visitado algumas cidades que têm Sea World. Mas nunca senti vontade de ir a um deles. Como o Vip Pass de Gold Coast me dava a chance de ver os três parques por 99 AUD, pensei: é agora. Não foi nada de mais, é verdade. Achei divertido o “show” dos leões-marinhos, que são assustadoramente humanos de tão bem treinados, e correm que nem cachorros.

IMG_6610

Perdi as outras apresentações, inclusive a dos golfinhos, porque estava mais interessado em ter uma visão geral do lugar e, claro, aproveitar as montanha-russas. Fui duas vezes na Storm, que termina com uma descida na água, e três na Jet Rescue, na qual você se senta num jet-ski! Saí de lá às 12h30 e almocei Fish & Chips + camarões e lulas num lugar superlocal, ali pertinho,  o Peter Fish Market. Delicioso.

DSC_0504~2

Ah, esqueci de me dizer que fui a pé do meu hotel até o Sea World. Olhei no Google Maps e dava 5,5km. E pela orla. Então, para que transporte? Saí uma hora antes do previsto e peguei o calçadão da Great Ocean Walkway. O caminho é lindo.

DSC_0469~2~2

De Surfers Paradise, passei por Main Beach, Mirage Beach e cheguei a The Spit, já no finzinho da orla! Nesse ponto, a praia é praticamente deserta, apesar de estarmos na cidade. E, em vez dos arranha-céus, o que se você é um paredão de árvores, emoldurando a praia.

DSC_0515~2

Na volta, fiz o mesmo trajeto, mas pela areia. Imagina se fiquei cansado! Parecia que Surfers não chegaria nunca. Mas também parecia que Gold Coast era toda minha. Para relaxar as pernas, entrei na jacuzzi aquecida do hotel, ao lado da piscina. Com aquele tempinho frio, foi uma experiência e tanto, principalmente porque caiu uma tempestade gelada enquanto a gente estava lá.

Clique aqui para curtir Viaje ao Léo no Facebook!

Renovado, reuni forças para encarar mais 8km (ida e volta) até o shopping Pacific Fair, que fica em Broadbeach. Havia trans, sim, mas eu queria conhecer mais a cidade. E, depois de três dias lá, posso dizer: me apaixonei.


Minha impressão de Gold Coast:

O que vale a pena: a cidade em si, que é linda e tem ótimo astral, as praias maravilhosas, os parques (que não são isso tudo, mas enfim..)

O que incomoda: não tive queixa alguma.

Permanência: 3 noites (sendo 2,5 dias). Deu para fazer o que eu queria mais, que era ir aos parques. Mas uma semana não seria exagero algum, porque Gold Coast tem muitas outras praias, como a própria Broadbeach, que não conheci, e algumas mais distantes, como as que ficam perto do aeroporto e, dizem, são quase deserta. Além disso, há mais parques temáticos, como o Dreamworld e também naturais, como o Tamborine, o Springbrook e o Lamington.

Clique aqui para reservar seu hotel pelo Booking.com. Você não vai pagar nada a mais por isso, mas vai ajudar o blog!

Onde ficamos: Grand Chancellor Hotel.  Excelente pedida, na melhor esquina de Surfers Paradise, a dez passos da Cavill Avenue. Ótimo custo -benefício: 100 AUD /dia por um quarto com varanda enorme com vista pro mar e pro agito.

IMG_6481.JPG

Próxima parada: Sydney, SUA LINDA!

Parada anterior: Gold Coast – a Orlando da Austrália!

 Posts relacionados:

Austrália em 25 dias

Chegada a Cairns

Grande Barreira de Corais e Daintree National Park

Whitheaven: a praia mais bonita do mundo?

Airlie Beach e Whitsundays

24h em Brisbane

Domingo em Sydney

I love Sydney!

Great Ocean Road

Além dos 12 Apóstolos e chegada a Melbourne

Melbourne

Fim de semana em Melbourne

Anúncios

Gold Coast: a Orlando da Austrália!

Como eu sou fã deste meio de transporte chamado trem. Na Austrália então… Deslizamos nossas malas suavemente pelas ruas de Brisbane até a estação Roma St, para pegar o trem de 1h até Nerang, combinado com um bus até a famosíssima Surfers Paradise, onde estamos.

Clique aqui para reservar seu hotel pelo Booking.com. Você não vai pagar nada a mais por isso, mas vai ajudar o blog!

Chegamos no começo da tarde e fomos almoçar ali no burburinho da Cavill Avenue, a rua mais descolada, bem em frente ao letreiro com o nome da praia:

IMG_6474.JPG

Passear pela ampla faixa de areia de Surfers Paradise, reparando nos arranha-céus futuristas que dominam a paisagem. São maravilhosos, mas falemos a verdade: não deixam o Sol chegar à areia pela tarde.

IMG_6493.JPG

Depois da voltinha na praia, fomos ao Skypoint, que fica no 78o. andar do edifício Q1. Fica-dica 1: em Gold Coast, não deixe de ir. É a mais linda vista de cima que eu já vi num lugar semelhante. E fica-dica 2: vá no fim da tarde, para pegar dia e noite. Custa 22 AUD, mas fica-dica 3: no nosso hotel, conseguimos comprar de um jeito que dá direito a subidas ilimitadas por esse mesmo valor.

IMG_6525.JPG

Ainda de dia

IMG_6534.JPG

Fim de tarde

IMG_6542

Já é noite!

Jantamos num restaurante tailandês em Surfers Boulevard, bem pertinho do hotel e do Q1. No dia seguinte, acordei cedo porque queria pegar o parque Movie Warner Bros aberto desde o primeiro minuto. Explico: Gold Coast é uma espécie de Orlando da Austrália, como diversos parques temáticos. Claro, não são como os americanos. Mas são bem divertidos também.

IMG_6555.JPG

De acordo com o horário dos buses (britanicamente pontuais por aqui), ou eu chegava 20min depois de abrir ou 45min antes. O fominha aqui preferiu madrugar. O parque é lindo. De cara, assisti Rio 4D no Roxy Theather: 20min, bonitinho, nada demais. Depois, a montanha-russa do Scooby-Doo, que mais parece um trem-fantasma, de tão bobinha. Em seguida, um “show” com manobras de carro.

IMG_6573.JPG

A montanha-russa aquática do Velho Oeste é mais molhada que emocionante e a também montanha-russa Arkham Asylum é outra bobagem. A do Superman (única que repeti) foi a melhorzinha e a do Lanterna Verde estava fechada para manutenção. Liga da Justiça é algo dispensável e Batwing nada mais é do que aquele elevador. Legalzinho é um adjetivo justo para o Warner Bros, mas nada que incomode tanto um amante de parques, como eu.

IMG_6578.JPG

Saindo de lá, caminhei 10min até o parque aquático West’n’Wild, do mesmo grupo. Fica-dica  4: comprando o Vip Pass pela Internet, você pode visitar três parques por 99 AUD (o outro é o Sea World). Saí em disparada pelas atrações, porque cheguei às 13h30 e os palhaços tinham a pachorra de fechar às 15h30! Coisas de Austrália! Em 2h eu fiz tudo de bom que tinha por lá, mas fica-dica 5: se gosta muito de água, reserve o dia inteiro para o West’n Wild.

IMG_6579.JPG

E, entre toboáguas, aqualoops, botes e banhos, posso dizer que fui mais feliz no West’n’Wild do que no Warner. Parecia uma criança molhada correndo pra cá e prá lá. Ah, SVS não foi comigo. Passou o dia na praia, caminhando de Surfers Paradise a Broadbeach, e adorou. À noite, tomamos vinho na varanda do nosso quarto, admirando a linda vista e o marzão de Surfers Paradise.

Próxima parada: Bye, Gold Coast!

Parada anterior: 24h em Brisbane

Posts relacionados:

Austrália em 25 dias

Chegada a Cairns

Grande Barreira de Corais e Daintree National Park

Whitheaven: a praia mais bonita do mundo?

Airlie Beach e Whitsundays

Sydney, SUA LINDA!

Domingo em Sydney

I love Sydney!

Great Ocean Road

Além dos 12 Apóstolos e chegada a Melbourne

Melbourne

Fim de semana em Melbourne

Austrália em 25 dias

Quando minha companheira mais usual de viagens me perguntou onde seriam nossas férias de 2015, eu não vacilei: Austrália. Eu precisva completar todos os continentes e 30 países antes dos 40 anos. Era uma meta (meio idiota, eu sei) que tracei em 2013 para me desapegar da Europa. Depois disso,  rolaram as até então inéditas África, Ásia e América Central. Faltava a Oceania.

Clique aqui para curtir Viaje ao Léo no Facebook!

Mas como conhecer um continente tão grande e diverso em apenas 25 dias? O que muita gente faz de cara é usar a velha teoria do Jaque. Sabe qual? Já-que eu vou pra Austrália, por que não dar um “pulinho ali” na Nova Zelândia? Fica-dica 1: deixe os pulinhos para os cangurus. Em minha opinião, 25 dias não são suficientes para ver nem a Austrália direito. Deixamos de fora atrações incríveis, como a Tasmânia, o Outback e toda a parte oeste (Perth, Broome, etc), só para citar algumas. Preferimos nos concentrar na maravilhosa costa leste. Claro, depois de muito estudo, porque eu sou famoso por ser viciado em roteiro e planejamento. Veja:

roteiro

Costa leste da Austrália em 25 dias

Aí, você me pergunta: Léo, como percorrer esse país de dimensões continentais? Depende. Avião seria a resposta mais óbvia. Mas uma rápida pesquisa me fez descobrir que a Austrália tem uma fantástica rede de trens, com passes a preços razoáveis. Um deles pode se encaixar nos seus planos. Escolhemos a linha The Spirit of Queensland, que liga Cairns (bem ao norte e porta de entrada para a Barreira de Corais) a Brisbane, bem no meio da nossa rota. Com esse passe, pudemos parar em Airlie Beach, onde ficam as ilhas Whitsundays e Whiteheaven Beach, considerada a praia mais da Austrália.

IMG_6163

A foto não fez jus à beleza da Whiteheaven Beach, porque o clima não ajudou.

Poderíamos ter feitos outras paradas, como Townsville, base para explorar a Magnetic Island, e Hervey Bay, ponto de partida para explorar a selvagem Fraser Island, ou ainda a sofisticada região de Noosa, com charmosas cidades litorâneas. Tenho quase certeza de que teria sido tudo lindo, mas talvez um pouquinho “pretty much the same”. Enfim, optamos por apenas um stop em Airlie Beach. Mesmo assim, valeu a pena? Sim, porque viajar de trem na Austrália é demais, como vocês vão ver nos próximos relatos. A partir de Brisbane, parada final do passe de trem, nos viramos de outras formas. Primeiro, com outro pequeno trecho de trem até Gold Coast, comprado à parte no próprio local.

Orla de Gold Coast

A Inesquecível Gold Coast

De Gold Coast, pegamos um avião até Sydney e outro até Melbourne, ambos comprados diretamente no site da companhia low-fare Jetstar. Recorremos à minha eficientíssima agente de viagens para conseguir uma passagem internacional  que chegava por Cairns e saía por Melbourne. Fica-dica 2: assim, você economiza um trecho interno! Em Melbourne, alugamos um carro para conhecer por conta própria, e no nosso tempo, a Great Ocean Road.

IMG_7344

Tem condição o tanto que a Great Ocean Road é bonita?

Se houve algum senão no roteiro que eu elaborei? Unzinho talvez. Hoje, eu pediria para ela reservar a volta de Sydney, porque, no dia de ir embora para o Brasil, a gente já acordaria na cidade (saindo de Melbourne, tivemos que fazer uma conexão por lá). Não teria feito tanta diferença pra gente comprar os trechos aéreos Gold Coast-Melbourne, Melbourne-Sydney, em vez de Gold Coast-Sydney, Sydney-Melbourne, como fizemos. Mas também não chegou a atrapalhar nossa viagem, não. Foi quase tudo perfeito.

IMG_5892

Amigos para sempre

Ah, faltou dizer: a Austrália exige visto. A gente conseguiu fazer tudo sozinhos, pela internet, sem muito sofrimento. Não vou me alongar falando sobre isso aqui, porque há muitos “blogamigos” por aí explicando direitinho para se faz. Este aqui, por exemplo, explica tim-tim por tim-tim.

Curtiu as dicas? Então clique aqui para reservar seu hotel pelo Booking.com. Você não vai pagar nada a mais por isso, mas vai ajudar o blog!

Próxima parada: Chegada a Cairns

Parada anterior: Bangkok

Posts relacionados:

Grande Barreira de Corais e Daintree National Park

Whitheaven: a praia mais bonita do mundo?

Airlie Beach e Whitsundays

24 horas em Brisbane

Gold Coast: a Orlando da Austrália!

Bye, Gold Coast!

Sydney, SUA LINDA!

Domingo em Sydney

I love Sydney!

Great Ocean Road

Além dos 12 Apóstolos e chegada a Melbourne

Melbourne

Fim de semana em Melbourne