Melbourne

Em nosso primeiro dia inteiro em Melbourne, saímos da City para cruzar o rio, passando em frente à bela estação Flinders e à Fed Square.

IMG_7378

A linda estação Flinders Street

Do outro lado do Yarra, visitamos rapidamente a National Gallery of Victoria (fica-dica 1: de graça) e fomos subir os 88 andares da Eureka Skydeck (fica-dica 2: custa 20 AUD, mas cai para 18 se você conseguir um desses cupons de desconto. OBS: preços de abril ). Lá de cima, vimos uma cidade linda e muitas das atrações que visitaríamos ao longo do dia.

IMG_7416

Dali do alto dá para ver tão legal…

A primeira foi Shrine of Remembrance, um enorme museu/monumento em homenagem aos mortos em guerra, e que também oferece bonitas vistas de Melbourne.

 

De lá, caímos pra dentro dos fantásticos Jardim Botânico e King’s Domain até cruzar o rio de novo em direção à região que concentra alguns dos principais palcos de eventos esportivos, como o AMMI Park, o Melbourne Cricket Ground e a arena Rod Laver, lendária casa do tênis. Na Hirense Arena, a segurança nos deixou entrar sem pagar para ver 5min do campeonato australiano de ginástica, que estava rolando.

De lá, seguimos pro Fitzroy Gardens, agradável área verde, onde fica a Cook’s Cottage, casa dos pais do inglês que iniciou a colonização australiana (que informação fundamental, hein! Kkk). Depois, passadinha rápida pelos prédios do Old Treasury e do Parlamento (porque, à essa altura, estávamos famintos), e paramos pra comer em Chinatown (fica-dica 3: nada especial, assim como o distrito italiano em Lygon St, para onde fomos logo a seguir).

IMG_7535

O Parlamento…

IMG_7547

… e Chinatown

O vizinho Carlton Gardens, sim, vale a pena. Essa bela área verde, com bem cuidados jardins, abriga o Royal Exibhition Building, o Melbourne Museum e o cinema IMAX. Não entramos em nada porque já era fim de tarde.

IMG_7566

Carlton Gardens

Ainda fomos conferir a tal da Brunswick St que, segundo alguns blogamigos, era megadescolada (fica-dica 4: mentiram). Fizemos tudo isso a pé, apesar de Melbourne ter uma rede de transporte muito boa, com algumas opções até gratuitas. Uma delas é o bondinho retrô Free City Circle, que percorre os pontos principais e nos deixou perto do South Wharf, onde fica o DFO. Só pudemos ir lá porque (fica-dica 5) as lojas ficam abertas até as 21h na sexta. Lembram que tudo fecha cedo na Austrália, né?

Gosta das dicas do blog? Então, curta também a página de Viaje ao Léo no Facebook para não perder nenhuma postagem!

O DFO é supostamente um outlet, mas a única coisa barata que achei foi um tênis que me custou 50 AUD a mais em Gold Coast (mesmo assim, muito vantajoso em relação ao Brasil). Ou seja, fica-dica 6: só vá ao DFO se quiser um pisante da Asics e achar que tem sorte suficiente para conseguir esse preço. Saímos de lá correndo, a tempo de encontrar o Melbourne GPO aberto.

IMG_7573

O belo prédio do Melbourne GPO

É uma elegante ex-agência de correios (General Post Office) transformada em centro comercial. Loja mesmo só tem a H&M, a prima inglesa do nossa Renner. Mas o prédio é incrível. Ao lado, fica a Myers, a equivalente australiana da Macy’s. As duas têm preços exorbitantes e estão bem em frente ao nosso hotel, na Bourke St. É legal ficar no centrão, perto dos charmosos becos grafitados, as famosas lanes.

IMG_7659

Clique aqui para reservar seu hotel pelo Booking.com. Você não vai pagar nada a mais por isso, mas vai ajudar o blog!

Melbourne é mais europeia que Sydney e tem uma dose maior de vida real (tipo gente atravessando fora da faixa, essas coisas). A vocação boêmia/cultural e o agito me lembram São Paulo, às vezes. Talvez pelo clima maluco. Maluco como a cena que me surpreendeu quando eu voltava da balada, depois de uma da madrugada: um cantor de rua dava um show numa esquina qualquer do CBD. E uma galera se juntou pra dançar de um jeito, digamos, espontâneo. Seria um retrato de Melbourne? Não conheço bem a cidade para saber, mas suponho que sim. Adorei.

Próxima parada: Fim de semana em Melbourne

Parada Anterior: Além dos 12 Apóstolos e chegada a Melbourne

Posts relacionados:

Austrália em 25 dias

Chegada a Cairns

Grande Barreira de Corais e Daintree National Park

Whitheaven: a praia mais bonita do mundo?

Airlie Beach e Whitsundays

24h em Brisbane

Gold Coast: a Orlando da Austrália!

Bye, Gold Coast!

Sydney, SUA LINDA!

Domingo em Sydney

I love Sydney!

Great Ocean Road

 

 

Anúncios

Sydney, SUA LINDA!

Depois de 11 dias no maravilhoso Queensland,  finalmente mudamos de estado. Um voo de 1h30 nos levou de Gold Coast para Sydney, a maior cidade da Austrália. Compramos a passagem ainda no Brasil, pelo site da Jet Star, e deu tudo certinho. Custou o equivalente a 75 dólares americanos, mas fica-dica 1: cuidado com o limite da bagagem! Eles são muito rigorosos. Na hora da compra, perguntam quantos quilos você quer despachar e você paga por isso (escolhemos 20kg). E não tente bancar o espertinho e lotar a bagagem de mão, porque ela não pode exceder 7 quilos. É pesada tanto no check-in quanto na fila para entrar no avião.

Clique aqui para curtir Viaje ao Léo no Facebook!

Sair do aeroporto de Sydney é mais fácil que roubar eucalipto de coala. Pegamos um trem por 17 AUD e descemos na estação Museum, a 500m do nosso hotel. No total, devemos ter gastado menos de meia hora. Na primeira tarde, tínhamos um compromisso: ir ao Sydney Aquarium. É que comprei um passe que dá direito a três atrações por cerca de 60 AUD (cada uma delas sairia por cerca de 20 AUD), que precisava ser validado no primeiro dia.

IMG_6688

Darling Harbour, onde ficam o Wildlife Sydney e o Sydney Aquarium.

Fomos primeiro ao Wildlife Sydney que, comparado com a versão de Port Douglas, deixa muito a desejar.  Os cangurus não dividem o espaço com a gente (aliás, todos os bichos ficam presos) e, pior, é proibido tocar no coala no estado de New South Wales. Como sabíamos disso, abraçamos o danado quando pudemos. Pelo menos vi o Diabo da Tasmânia em Sydney!

IMG_6725

Sim, esta coisinha miúda é o Diabo da Tasmânia. E as fotos ficaram todas meio tremidas porque o bicho é mesmo muuuuuuito elétrico!

O Aquarium foi mais legal, mas fica-dica 2: é melhor pagar os 40 pela torre que pagar 60 pelos três, principalmente se tiver ido a zoos melhores, como a gente. Tanto o Wildlife quanto o Aquarium ficam em Darling Harbour, uma área antes degradada, que foi revitalizada por causa das Olimpíadas. Hoje, é um centro de lazer com atrações como o Madame Tussaud (outra opção que o turista pode escolher quando compra o passe triplo), o shopping Harbourside, IMAX Theather, restaurantes, bares, cafés e a charmosa ponte pênsil Pyrmont, só pra pedestres, que desfrutam de uma bela vista.

IMG_6694.JPG

Quando chegamos, era abertura do Vivid, um festival de luzes que colore os principais pontos de Sydney durante um mês, todos os invernos. Darling Harbour estava uma festa, com aquela iluminação, música e fogos de artifício. Inesquecível e um bom jeito de começar a me apaixonar perdidamente por Sydney.

IMG_6746.JPG

No dia seguinte, começamos pelo Capitol Theather, o Paddy’s Market (espécie de camelódromo misturado com Mercado Central) e a pequena Chinatown, pertinho do nosso hotel.

IMG_6761

Fachada do Paddy’s Market

IMG_6768

Chinatown

De lá, seguimos a pé para o lindíssimo Hyde Park, a prefeitura, a St. James Cathedral e o Queen Victoria, um fantástico edifício antigo transformado num elegante shopping. No outro lado do enorme Hyde Park, que é cortado por uma avenida, tiramos foto na St. Mary’s Cathedral.

IMG_6774

Hyde Park

IMG_6802

St Mary’s Cathedral

Em seguida, pegamos a Macquarie St, rua cheia de prédios vitorianos, passando em frente à casa do Parlamento e à linda Bibloteca Pública. Entramos no parque Domain, para ir à Art Gallery of NSW (fica-dica 3: é excelente – tá difícil não adjetivar o texto – e de graça).

IMG_6809

Biblioteca Pública

IMG_6815

Art Gallery of New South Wales

Seguimos então pro Jardim Botânico, de onde tivemos a primeira visão das emblemáticas Harbour Bridge e Ópera House. Mas mantivemos o passo porque queríamos encontrar a tal Mrs Macquaries Chair, que é uma cadeira onde a rainha sentava para ver a baía de Sydney. Fica-dica 4: é uma bobagem, mas o caminho vale a pena. Foi difícil tirar uma foto, porque dois cidadãos resolveram monopolizar o banco que é uma atração turística. Mas, tudo bem! Fazer turismo é isso! Rs

IMG_6830

Vê se tem base um negócio desses! Chega a ser engraçado: eu e os meus novos amigos.

Voltamos pelo calçadão entre o Jardim e a baía, tendo como cenário a ponte e a Ópera, até chegar a Circular Quay, a animada área ao redor do porto, de onde partem os ferries pra diversos lugares.

IMG_6840

Enfim, a Ópera House

Tiramos fotos rapidinho da Ópera House, porque sabíamos que voltaríamos ali muitas vezes durante nossa estada em Sydney, mas queríamos mesmo era alcançar The Rocks, que fica bem ao lado e é o bairro antigo que foi a origem de Sydney. Fomos à The Rocks Market (feira de rua que rola aos sábados e domingos).

IMG_6854

The Rocks…

IMG_6852

… e sua tradicional feirinha!

Depois subimos até o Sydney Observatory, para ver essas belezuras todas do alto. Ainda tentamos ir à Torre de Sydney (do tal passe, lembra?), para uma visão ainda mais de cima, mas quando chegamos estava escuro e preferimos deixar pra outro dia.

IMG_6860.JPG

Voltamos pro porto de Sydney, que recebia uma multidão pro Vivid e estava magnificamente iluminado. Vocês devem ter ficado malucos con tanto vai e vem. Sim, andamos por km e km, e terminamos o dia exaustos. Mas encantados.

IMG_6875.JPG

Próxima parada: Domingo em Sydney

Parada anterior: Bye, Gold Coast!

Posts relacionados:

Austrália em 25 dias

Chegada a Cairns

Grande Barreira de Corais e Daintree National Park

Whitheaven: a praia mais bonita do mundo?

Airlie Beach e Whitsundays

24h em Brisbane

Gold Coast: a Orlando da Austrália!

I love Sydney!

Great Ocean Road

Além dos 12 Apóstolos e chegada a Melbourne

Melbourne

Fim de semana em Melbourne