Chapada dos Veadeiros: Vale da Lua

Deixamos para o último dia (aquele menorzinho, em que encararíamos pelo menos 6h de carro na volta a Goiânia) um dos passeios mais fáceis de se fazer na Chapada. Para quem se hospedar na Vila de São Jorge, é só pegar 9km da asfaltada GO-239 (já a caminho de Alto Paraíso e de casa). Ao chegar, são apenas 600m do estacionamento até as formações rochosas. A entrada custa R$ 20,00 (preço atualizado em novembro/2018).

Reserve sua pousada por este link e ajude o blogueiro!

O Vale da Lua foi formado pela erosão fluvial do Rio São Miguel, ao longo de 600 milhões de anos, e o resultado lembra aquelas fotos da Lua divulgadas pela Nasa. Daí o nome. Andar pelas pedras pode ser perigoso, principalmente se estiverem escorregadias. Há também o risco de cair nos buracos (sim, eu sou superdesastrado.  Pessoas mais coordenadas talvez não sintam tanto receio. Rs). Mas é tranquilo.

IMG_9620

Cuidado pra não cair aí!

Muita gente se decepciona com o Vale da Lua porque vê as fotos na internet e espera algo muito grandioso. Bem, é bonito, sim. Diferente, sem dúvida. Mas eu consigo entender quem não se sinta tão impactado assim pelo lugar.

IMG_9628

Em meio às rochas de formatos curiosos, há piscininhas bem gostosas. Claro, para quem acabou de ver as cachoeiras abundantes da Chapada, o banho em si não chega a impressionar.

IMG_9636

Mas esse não deve ser o objetivo principal da visita, e sim apreciar aquele visual bem peculiar. Como é um passeio rápido, fácil e barato, eu não deixaria de ir. Mas sou São Tomé. Gosto de ver pra crer. Você decide.

IMG_20170709_191653_789

Você terá uma foto maneira, vai!

Clique aqui para curtir a página do Viaje ao Léo no Facebook, e fique por dentro das novas postagens do blog


 

Minha impressão da Chapada dos Veadeiros:

O que vale a pena: a natureza maravilhosa e aquela sensação de desconexão total com a realidade

O que incomoda: se eu tiver que apontar alguma coisa, diria que é a superlotação de algumas das atrações

Permanência: três noites (sendo 2,5 dias). Se você só tiver tempo para um bate-volta, paciência! Priorize passeios, como eu fiz, e aproveite o que der. Mas achei muito pouco. A Chapada é enorme e cheia de coisas pra fazer. Vimos quase nada (nem fizemos as trilhas do parque, por exemplo), mas tudo bem. Ficou um gostinho de quero mais. Com certeza, voltarei!

Hospedagem: Pousada Caminho das Cachoeiras! Fica na entradinha do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, bem ao lado da badaladíssima Baguá Pousada, e é uma delícia. O café da manhã é muito bem servido, e eles têm um mirante legal para ver o pôr do Sol. Recomendo! Reserve por este link e ajude o blogueiro.

IMG_20170708_082859_263

Olha só o visual do mirante da pousada!

Anúncios

Chapada dos Veadeiros: Cachoeira do Segredo

Vou te contar um segredinho: se o seu carro for 1.0, talvez ele não se dê muito bem no caminho para a Cachoeira do Segredo. Já, já, você vai entender por quê. Bem, em nosso segundo dia na Chapada dos Veadeiros, a gente continuou com o plano de explorar atrações fora do Parque Nacional, porque não estávamos muito dispostos a fazer as longas trilhas de lá, como expliquei neste post aqui.

Reserve sua pousada por este link e ajude o blogueiro!

Por isso, optamos por conhecer a muito bem recomendada Cachoeira do Segredo. Antes de ir, fica-dica 1: quem compra o ingresso na cidade paga um pouquinho mais barato (35,00 reais contra 40,00 de quem paga na hora –  e ainda pode usar o cartão). Para quem está em São Jorge, é só pegar a GO-239 em direção a Colinas do Sul, e rodar cerca de 9km. Entrando na região da cachoeira, estacionaríamos o carro teoricamente a 3,5km da atração. Mas aí está a pegadinha: a estrada é muito ruim, e meu HB20 1.0 se recusou a seguir viagem quando estava a 1.5km do tal estacionamento. Simplesmente não subia um morrinho coberto de um pó bem fino.

 

Paramos o carro por ali mesmo e o que seriam 3.5km de trilha teriam virado 5km, se não tivéssemos recebido uma carona. Amém! Bom, do estacionamento até a cachoeira propriamente dita, o caminho é muito bonito. A maior parte é em mata fechada mesmo, em contato total com a natureza, mas também há paradas assim:

20170708_114037

Estávamos meio estressados com a história do carro, mas ao chegar à Cachoeira do Segredo, todo o perrengue pareceu pequeno. A queda é altíssima (mais de 100m), o cenário é lindo e o lugar tem uma energia incrível.

20170708_13032020170708_130349

A desvantagem: como não bate Sol, a água é muito, muito gelada. Acho que só vi algo parecido numa viagem à Itália em outubro, mas encarei o desafio!

20170708_125422.jpg

Na volta, não conseguimos a bendita a carona, e precisamos fazer 5km de trilha a pé mesmo até onde tínhamos largado o carro. Saindo dali, a ideia era terminar o dia num dos locais de águas termais, que ficam próximos, mas desistimos.

Clique aqui para curtir a página do Viaje ao Léo no Facebook, e fique por dentro das novas postagens do blog

Paramos para almoçar num lugar bem rústico (o único que fica por perto), antes de voltar para São Jorge. Aqui, fica-dica2: a Cachoeira do Segredo não tem estrutura alguma. Por isso, leve lanche, água, enfim, tudo o que for precisar.

Chapada dos Veadeiros: por que não visitei o parque

Como contei no post anterior, optamos por ficar na Vila de São Jorge por mais charmosa e aconchegante. Escolhemos a Pousada Caminho das Cachoeiras, que fica bem ao lado da mais badalada do lugar, a Baguá, e também na entradinha do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Apesar disso, optamos por não explorar o parque desta vez. Explico!

Tínhamos saído de Goiânia no meio da tarde, feito uma paradinha em Brasília para encontrar uma amiga, e pegado muito trânsito na estrada. Fora o cansaço da viagem, vínhamos de uma batidão puxado na época, de muito trabalho, e tínhamos lido que as principais trilhas do parque exigiam disposição. Nunca escrevi sobre lugares que eu não visitei, mas vou abrir uma exceção dessa vez para explicar por que não fizemos nenhuma delas, baseados nas minhas pesquisas.

Reserve sua pousada por este link e ajude o blogueiro!

Acho que a maioria das pessoas faz a trilha dos cânions, que tem 12km (ida e volta). O percurso passa pela Cachoeira Cachoeira da Carioca (linda e gostosa para ficar lagartixando um pouco) e chega aos cânios de pedra. Ali, tem a passagem para o Cânion II, com a bela queda do Rio Preto. Fiquei muito a fim de fazer essa, porque é a que permite nadar e entrar de fato na cachoeira. Mas, serião, os 12km de desanimaram.

cachoeira-das-cariocas-chapada-dos-veadeiros

Foto: https://www.destinodeviagem.com.br/chapada-dos-veadeiros-trilha-dos-canions-e-cachoeira-das-cariocas/

Outra trilha muito famosa é a dos Saltos, de 11km e, dizem, bem pesada. Entre os atartivos, a passagem pelo garimpo de cristal, vista da chapada e Saltos de 120m e 80m. Parece ser linda, mas é mais contemplativa. Eu estava doido para fazer uma foto como esta aí abaixo, mas fica pra próxima.

Agora, vamos falar dos extremos: a mais fácil e a mais difícll. A trilha da Seriema é curta e leve, boa para descansar depois de uma outra longa. É formado apenas uma piscina natural, com uma cascata bem pequena, do Corrégo Rviária. Já a trilha das Sete Quedas leva dois dias, porque tem 24h. Para fazer é necessário reserva. é muito procurada por gente que ama natureza e até por ufólogos, porque a  região da chapada, declarada Patrimônio Natural da Humanidade (UNESCO), é conhecida por ser um bom lugar para se avistar objetos voadores não-identificados. Esses ETs não são nada bobos, né? Escolheram bem.

Clique aqui para curtir a página do Viaje ao Léo no Facebook, e fique por dentro das novas postagens do blog

Bem, não fizemos nada disso, porque eu estava fora de órbita, mortinho da Silva e tinha só três dias na região. Mas, no próximo post, você vai ver que é possível curtir muito a Chapada dos Veadeiros, mesmo sem ir ao Parque Nacional.

Chapada dos Veadeiros em três dias

A primeira pergunta a ser respondida é: dá para fazer a Chapada dos Veadeiros num bate-volta? Dá! É claro que você vai conhecer apenas uma parte das muitas e belíssimas atrações que se estendem por quilômetros. Apenas de Colinas do Sul a Cavalcante (as duas cidades que ficam nos extremos da chapada), por exemplo, são 180km de estrada.

Reserve sua pousada por este link e ajude o blogueiro!

Outro aspecto a ser considerado é se vale a pena pegar um avião para ficar tão pouco tempo, porque uma coisa é sair de carro de Goiânia (a 460km do parque) ou de Brasiília (a 260km). E outra coisa é pagar umaboa grana até num voo até uma dessas cidades e ainda ter que percorrer tanto chão até chegar à chapada. Eu acho que fica corrido, mas cada cabeça uma sentença, não é mesmo?

Clique aqui para curtir a página do Viaje ao Léo no Facebook, e fique por dentro das novas postagens do blog

OK, Léo, eu decidi então que quero fazer um tourzinho básico de três dias. O que devo fazer? O primeiro passo é decidir que cidade vai escolher como base. A Chapada dos Veadeiros tem as pequininas Colinas do Sul e Teresina de Goiás (onde, acredito eu, pouca gente se hospeda), e as mais procuradas Cavalcante, Alto Paraíso e seu distrito mais charmoso: São Jorge.

20170707_180220.jpg

Mas o que deve pesar na sua decisão? Basicamente, o que você planeja ver nesse curto tempo, porque não convém ficar indo e voltando demais. Afinal, 90km separam Alto Paraíso, a localização mais central da chapada, de Cavalcante, por exemplo. A seguir, algumas dicas para ajudar na sua escolha:

 

CAVALCANTE

A mais distante das três cidades (para quem vem de Brasília ou Goiânia) é a melhor pedida para quem deseja ver as cachoeiras que muita gente considera as mais bonitas da região: Rio Prata, Santa Bárbara e Capivara. E ainda tem outras como Veredas e a Ponte de Pedra. Eu não fiquei lá, por isso não posso dar um testemunho pessoal, mas dizem que é um local menor e mais rústico que os demais. Com tão pouco tempo, eu levaria em quanto a distância, porque 90km podem parecer pouco, mas faem diferença para quem está fazendo um bate-volta.

 

ALTO PARAÍSO

Para quem vem de Brasília ou Goiânia, é a primeira cidade a aparecer. Como disse acima, é a mais central. Fica mais perto de atrações como a Cachoeira Loquinhas, a Cachoeira dos Couros (dizem que é fantástico) e das Cachoeiras Almécegas (que eu visitei e descreverei no próximo post).  Também segundo relatos que ouvi, é um pouco mais estruturada que Cavalcante, apesar de ser um pouco menor. É também mais econômica, porém menos charmosa, que seu distrito famoso.

 

SÃO JORGE

O distrito, localizado a pouco mais de 30km de Alto Paraíso, foi a opção que escolhi para essa primeira exploração à chapada. Por quê? Basicamente, porque me disseram que era mais romântico e deslocado. E é verdade. Estar hospedado ali já faz parte do passeio. Dali, estávamos a 9km do Vale da Lua (uma das atração bem manjadas, mas imperdível) e a 10km da Cachoeira da Segredo.

IMG_9596

A incrível Cachoeira do Segredo

Para ir às Almécegas, a 28km do distrito, tivemos que voltar quase até Alto Paraíso, mas tudo bem. A estrada é boa e tem uma paisagem linda.

IMG_9548.JPG

Mas São Jorge tem outra grande vantagem: está coladinho à entrada principal do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e de suas principais trilhas (apesar de termos optado por não percorrê-las. Vai entender! Mas só no próximo post). Posso dizer que não me arrependo da escolha. Seja qual for a sua, certamente terá dias muito gostosos na chapada.

Próxima parada – Chapada dos Veadeiros: por que visitei o parque